17 de maio de 2011

Blue Bloods: Vampiros de Manhattan

A história começa com o diário de Catherine Carver, contando sua própria história, passada em 1620, quando o navio Mayflower chegou aos Estados Unidos, trazendo homens, mulheres e crianças.

Voltamos aos dias atuais, quando Aggie, uma das amigas de Mimi Force - filha de um político, super rica e metida, ou seja, aquela personagem que todos amam odiar - é encontrada morta, atrás de uma boate. Sem qualquer vestígio de sangue em seu corpo.

Schuyler, outra adolescente rica (mas não metida), que estudava com Aggie, começa a questionar as estranhas circunstâncias de sua morte. E isso leva-a também a questionar sobre seu próprio passado. Por que ela tem as veias azuis em seus braços tão salientes? E quais são suas origens, afinal? Por que sua mãe está em coma há tantos anos, e quem é o misterioso homem que sempre vem visitá-la?

Blue Bloods poderia, sim, ser só mais um livro de vampiros. Mas, nesse caso, os vampiros parecem ter saído de um seriado estilo Gossip Girl ou 90210. Todos são ricos, usam roupas da moda, dirigem carros importados. O que, aliás, foi o que menos gostei no livro. Não o fato deles serem ricos, mas da autora ficar toda hora descrevendo as marcas do que estão vestindo (bolsa da Prada, casaco Chanel, sapato de não-sei-quem...). Isso eu já tinha visto em Monster High e achei bem cansativo, além de ser totalmente desnecessário. Uma coisa ou outra, tudo bem. Mas interromper a descrição de uma cena de sexo para falar a marca da calcinha da personagem, foi demais.

Outra coisa que não gostei, foi que a personagem Schuyler é meio incoerente. No começo do livro ela é apresentada como uma pessoa anti-moda, que se veste com o que der na telha, sem se importar com a opinião dos outros (para vocês terem uma ideia, ela nem penteia o cabelo). Aí no meio da história ela participa de uma campanha publicitária para divulgar uma marca de jeans. Como uma pessoa que não gosta de moda de repente se torna modelo?!

Tirando esses pontos, eu gostei bastante da história, principalmente por Melissa de la Cruz ter reinventado a origem dos vampiros, que é totalmente diferente do que já li até hoje - claro que não vou explicar aqui, vocês tem que ler para entender ;)

Também tem o suspense do assassinato da Aggie, que me fez roer as unhas até o final. E o final... bem, está mais para final de temporada de série de TV, ou seja, deixa aquele gancho para ser concluído no próximo livro.

Ah! Não confunda os livros Blue Bloods com a série de TV de mesmo nome, pois não tem nada a ver.

A série de livros já possui dois livros publicados no Brasil, e 6 no total:
  1. Blue Bloods: Vampiros de Manhattan (Blue Bloods)
  2. O Baile de Máscaras (Masquerade)
  3. Revelations
  4. The Van Alen Legacy
  5. Misguided Angel
  6. Lost in Time
Também existem outros livros relacionados à série, mas que não fazem parte da saga:
  •  The Keys To The Repository, contém contos e informações sobre os personagens. 
  • Bloody Valentine, contém 3 contos românticos com 4 personagens: Oliver Hazard-Perry, Allegra Van Allen, Schuyler Van Allen e Jack Force. 
  • Wolf Pact, um spin-off de Misguided Angel, será publicado em 2012.
Outras capas (mais uma vez, gostei mais da brasileira):


Related Posts with Thumbnails