13 de maio de 2014

As Mentiras de Locke Lamora

No auge do longo e úmido verão do Septuagésimo Sétimo Ano de Sendovani, o Aliciador de Camorr fez uma visita inesperada ao Sacerdote Cego no Templo de Perelandro, nuna ávida tentativa de lhe vender o jovem Lamora.

Órfão, pequeno e faminto, Locke Lamora foi vendido pelo Aliciador ao Padre Correntes, servo de Perelandro. Mas ele não é um simples sacerdote, e sim o líder dos Nobres Vigaristas, composto também de outros meninos órfãos.

O começo do livro foi um pouco lento para mim, pois quando uma história não se passa no "nosso" mundo real, sempre tenho um pouco de dificuldade com a quantidade de descrições. Porém, a narrativa é detalhista sem pecar pelo excesso e é extremamente rica. Bastaram algumas páginas para que eu me sentisse vivendo em Camorr, e a cada capítulo eu conhecia mais essa cidade. Seria mais legal ainda se tivesse um mapa junto do livro.

Os cenários são ricos e a narrativa é muito inteligente. Ri algo com vários diálogos e fiquei torcendo para que tudo desse certo para Locke e seus amigos. Esse é o tipo de história em que os ladrões são os mocinhos, não tem como não ficar do lado desses meninos.

O que mais gostei na narrativa foi que, ao final de cada capítulo, havia um "interlúdio", contando algo do passado de Locke ou de Camorr. Quebrar a narrativa desse jeito poderia ser confuso, mas Scott Lynch fez com que ele se encaixasse perfeitamente na história.


Eu adorei As Mentiras de Locke Lamora, é o tipo de história que continua comigo quando eu fecho o livro, assim como seus personagens. Não vejo a hora de ler a próxima aventura dos Nobres Vigaristas, Mares de Sangue - há 7 (!) livros previstos para a série.

Outras capas:


Nota:

Onde comprar: Submarino

Livro cedido para resenha pela Editora Arqueiro
Créditos das imagens: capas - Goodreads, mapa - site do autor.
Related Posts with Thumbnails