29 de março de 2017

Trecho: Quando a bela domou a fera


Garotas bonitas em contos de fadas são tão comuns quanto areia na praia. Leiteiras de pele branca e rosada andam ao lado de princesas de olhar sonhador e, se contássemos os olhos brilhantes de cada donzela, teríamos uma galáxia inteira de estrelas cintilantes.

Esse brilho torna ainda mais triste o fato de que mulheres reais raramente se igualam aos seus equivalentes fictícios. Elas têm dentes amarelados, ou manchas na pele. Têm a sombra de um bigode, ou um nariz tão grande que um rato poderia esquiá-lo.

É claro que há mulheres bonitas, mas mesmo estas estão propensas a todas as mazelas “a que a carne é sujeita”, como lamentou Hamlet há muito tempo.

Em suma, é rara a mulher que, de fato, ofusca o brilho do sol. Ainda mais uma mulher com dentes perolados, voz de cotovia e um rosto tão lindamente esculpido que os anjos chorariam de inveja.


Esse foi um trecho do livro Quando a bela domou a fera, de Eloisa James, lançamento da editora Arqueiro! Leia o trecho completo no site da editora.

27 de março de 2017

Fundação

Seu nome era Gaal Dornick, e ele era apenas um caipira que nunca havia visto Trantor antes.

Com essa frase, se inicia Fundação, uma das obras-primas de ficção científica mais aclamada de todos os tempos. Eu já havia lido toda a trilogia, emprestada de uma biblioteca, quando tinha uns vinte anos. Na época, havia me encantado com ela, mas não lembrava de absolutamente nada da história (isso foi há uns dez ou doze anos). Por isso, decidi reler.

O primeiro livro começa com Gaal Dornick chegando no planeta de Tranto, para trabalhar com Hari Seldon na confecção da Enciclopédia Galática. O projeto é ambicioso: a Enciclopédia deve reunir todo o conhecimento humano pois, de acordo com o próprio Seldon, a humanidade deixará de existir.

No começo eu estava bem empolgada com a leitura, mas da metade para o final ela ficou cansativa. Fundação não é um livro fácil de ser lido. Creio que isso se dá pelo fato de que, ao contrário dos livros de ficção que costumo ler, nos quais a história ocorre em volta dos personagens, aqui a história ocorre por ela mesma.

Os personagens não são bem desenvolvidos ou descritos, porque eles não importam. Dezenas, centenas de anos se passam de um capítulo a outro, as pessoas morrem e são substituídas por outras. Fundação é praticamente um livro de história, contado através dos diálogos daqueles que a viveram.


Eu acho que não sofri o mesmo encantamento que tive da primeira vez que li, porque nessa década que se passou já li muitos livros diferentes. Mas é possível perceber como Isaac Asimov construiu a base da ficção científica que conhecemos hoje. A história, iniciada em 1942, traz diversas discussões e continua atual, além de conceitos incríveis (sou fã da psico-história). Para os fãs do gênero, é imperdível.

Outras capas:


Nota:

25 de março de 2017

Eu fui: Foz do Iguaçu


Oi pessoal! Na última semana estive de férias e aproveitei para fazer uma viagem aqui no Brasil, para Foz do Iguaçu/PR, que acabou sendo muito mais legal do que eu imaginava. Então resolvi escrever alguns posts, para compartilhar a minha viagem com vocês e quem sabe ajudar quem está planejando ir para lá. Não foi uma viagem cara e valeu muito a pena!

Fui para Foz do Iguaçu em um domingo e voltei na quinta-feira de manhã, e esses quatro dias foram suficientes para conhecer os principais pontos turísticos. Fiz tudo de ônibus e andei muito! No começo tinha considerado comprar os passeios em uma agência, mas de ônibus ficou muito mais barato (cada passagem custava R$3,45). Os posts do blog Lá vai ela pelo mundo me ajudaram muito a planejar minha viagem e a me virar por lá. Além disso, o pessoal da cidade era bem prestativo quando eu perguntava como chegar em algum lugar.

Para andar de ônibus, é essencial pesquisar bem a localização do hotel. Eu fiquei hospedada no Continental Inn por esse motivo e porque tinha um quarto triplo espaçoso (fui com mais dois adultos). Além disso, ele é próximo de um shopping e do centro da cidade.


Uma coisa que achei curiosa: o aeroporto de Foz tem "Internacional" no nome mas quase não tem placas em inglês, além de ser bem pequeno. Descemos e entramos no avião na pista mesmo. Quando chegamos estava a maior chuva e tinha uma pessoa dando guarda-chuvas para caminharmos até o terminal.


Nos próximos sábados irei contar sobre os pontos turísticos que visitei. Até lá! ;)

23 de março de 2017

Teardrop - Lágrima

Ele sabia tudo sobre ela. Iria gabaritar todas as questões em uma prova sobre suas complexidades. Ele a observava desde o 29 de fevereiro em que ela nasceu. Todos os Semeadores a vigiavam. Ele a observava desde antes de ele ou ela saberem falar. Eles nunca se falaram.
Ela era a vida dele.
Ele tinha de matá-la.

Eureka vive com culpa, por ter sobrevivido ao acidente de carro que matou sua mãe. Ela vai morar com o pai, a madrasta e seus dois meio-irmãos e se sente muito deslocada. Seus únicos refúgios são seus amigos, Brooks e Cat, e as memórias de sua mãe.

Até que surge um novo garoto em cena. Seu nome é Ander, e ele é muito misterioso. Além disso, Eureka recebe relíquias estranhas pelo testamento de sua mãe. Ela não sabe para que servem, mas, junto com Ander, podem ajudá-la a desvendar sua própria história.

Eu já tinha lido a série Fallen, da mesma autora - faltando o último livro, que fiquei com preguiça porque não gostei do modo como a história (des)andou. Apesar disso, continuei gostando do modo como Lauren Kate escreve, por isso comprei Teardrop.


A história é bem parecida: garota deprê + triângulo amoroso + sobrenatural. Porém, gostei bastante da parte de mitologia e mistérios do livro. Nessa parte, é bem diferente de Fallen, e foi por causa dela que gostei da história.

O livro tem uma continuação - é uma duologia -, lançada no Brasil como Dilúvio. Não entendi por que não mantiveram o nome original, como no primeiro livro, mas quero ler.

Outras capas:


Nota:

21 de março de 2017

Harlequin: Lançamentos de Março/2017

Chegou o outono e também as novidades da Harlequin! Vamos conferir o que vem por aí?

Lembrando que todos os lançamentos estão disponíveis no site: loja.harlequinbooks.com.br



18 de março de 2017

Trecho: Irmãos de Sangue


Aquilo pairava no ar, pesado como lã molhada sobre a clareira. Ele sentia seu ódio, presente na névoa que serpenteava pelo chão, no calor sufocante da noite. Com a tocha erguida, esperava a coisa se afastar na floresta, atravessando rios e contornando moitas onde pequenos animais se encolhiam temendo o cheiro que exalava.

Fumaça do inferno.

Ele enviara Ann e as vidas que ela carregava no útero para longe, para um local seguro. Ann não tinha chorado, lembrou enquanto borrifava as ervas que escolhera. Mas ele notou a tristeza no rosto dela, nos olhos escuros profundos que amara naquela vida e em todas as anteriores.

Três crianças nasceriam de Ann e seriam ensinadas por ela. E delas, quando chegasse a hora, viriam mais três. Seu poder seria delas, que chorariam pela primeira vez muito tempo depois de aquela noite terminar. Arriscara tudo que tinha para lhes deixar as ferramentas de que precisariam, as armas que empunhariam.

Seu legado para elas era de sangue, coração e visão.


Esse foi um trecho de Irmãos de Sangue, primeiro volume da trilogia A Sina do Sete, de Nora Roberts, e chegando ao Brasil pela Arqueiro. Leia o trecho completo no site da editora.

Eu já li o livro em inglês e gostei - leia a resenha aqui.

15 de março de 2017

O Diário de Anne Frank

Preocupada com a ideia de ir para um esconderijo, juntei as coisas mais malucas na pasta, mas não me arrependo. Para mim, as lembranças são mais importantes do que os vestidos.

Anne Frank foi uma adolescente judia, que viveu durante a 2ª Guerra Mundial. Ela foi obrigada a, junto com sua família, deixar sua casa para ficar escondida. Levou consigo um de seus bens preciosos: seu diário, onde divide conosco seus relatos sobre o dia-a-dia durante a guerra.

Comprei este e-book na Amazon e, enquanto lia, eu pensava: por que não li isso antes?

Durante todo o livro, me senti como se fosse uma amiga íntima de Anne. Afinal, li o diário dela, algo que, talvez, ela nunca tenha pensado que seria publicado e lido por milhares de pessoas em todo o mundo. Há pensamentos sobre a guerra, coisas sobre o dia a dia, seus estudos, discussões entre as pessoas que dividem o mesmo espaço...

Também me sentir claustrofóbica lendo o livro. Sou uma pessoa que a primeira coisa que faz, ao acordar, é abrir todas as janelas. Eu adoro minha casa, mas não consigo imaginar um dia sem, pelo menos, poder colocar a cabeça para fora. Imagine ficar dois anos dentro de casa, sem ter liberdade nem para ir ao banheiro, porque o encanamento pode fazer barulho e avisar as pessoas que tem alguém escondido ali.

Foto original: Guia do Estrangeiro

Lendo depois sobre a história do diário, vi que uma discussão recorrente é sobre a maturidade de Anne em sua escrita, fazendo as pessoas pensarem que ele é fake. Realmente, ela é muito mais madura que qualquer adolescente de treze anos que já vi. Porém, não duvido de sua autenticidade por conta disso. Primeiro, ela era uma garota que amava estudar, ler e escrever. Segundo, com certeza a guerra obriga as pessoas a serem mais maduras. Ela tinha que se preocupar em sobreviver. Não tinha tempo pra ficar de mimimi se não ganhasse o iPhone X dos pais.

O Diário de Anne Frank é um livro maravilhoso e inesquecível, do tipo que dá vontade de grifar o livro inteiro. O final me deixou meio sem rumo. A maldade humana não tem limites, e eu choro por tudo que aconteceu com a família de Anne e todos que tiveram que atravessar essa guerra.

Outras capas:


Nota:

13 de março de 2017

Trecho: O sol também é uma estrela


CARL SAGAN AFIRMOU QUE, se você quiser fazer uma torta de maçã desde o início, precisa primeiro inventar o Universo. Quando ele afirma “desde o início”, quer dizer a partir do nada. Quer dizer a partir de um tempo anterior à existência do mundo. Se você quiser fazer uma torta de maçã a partir do nada, precisa começar com o Big Bang, universos em expansão, nêutrons, íons, átomos, buracos negros, sóis, luas, marés oceânicas, Via Láctea, Terra, evolução, dinossauros, eventos de extinção, ornitorrincos, Homo erectus, homem de Cro-Magnon, etc. Precisa começar do início. Precisa inventar o fogo. Precisa de água, solo fértil e sementes. Precisa de vacas, pessoas para ordenhá-las e mais pessoas para bater esse leite até virar manteiga. Precisa de trigo, cana-de-açúcar e macieiras. Precisa de química e biologia. Para uma torta de maçã realmente boa, precisa das artes. Para uma torta de maçã que dure gerações, precisa da prensa gráfica e da Revolução Industrial, e talvez até de um poema.

Para fazer uma coisa simples como uma torta de maçã, você precisa criar o mundo inteiro.


Esse foi um trecho de O sol também é uma estrela, de Nicola Yoon, lançamento da Editora Arqueiro! Leia mais no site da editora.

11 de março de 2017

Simplesmente o Paraíso

Era impressionante que Marcus não tivesse se sentido profundamente infeliz no Eton. Ele não sabia como interagir com os colegas. (...)
Marcus não sabia como agir. Não sabia o que dizer.
Mas Daniel Smythe-Smith sabia.

Marcus Holroyd teve uma infância difícil. A mãe morreu quando ele tinha quatro anos. De família rica, o pai não lhe dava carinho e preferia deixá-lo sob os cuidados de seus tutores. Até os doze anos de idade, o garoto não tinha amigos. Até conhecer Daniel Smythe-Smith.

Os dois logo se tornam amigos e, junto de Daniel, vem a irmãzinha Honoria. Os três passam vários verões brincando juntos. Daniel e Marcus continuam amigos na vida adulta, até que Daniel recebe uma ameaça de morte e precisa deixar o país. Ele deixa Marcus com a missão de ficar de olho em Honoria - agora com 21 anos, está bem longe da menininha de joelhos ralados de antigamente.

Quem já conhece os romances históricos da Julia Quinn não pode perder este livro, e quem ainda não conhece precisa conhecer. Assim como a série Os BridgertonsSimplesmente o Paraíso mantém o tom de romance com bastante humor. Tem várias situações e diálogos hilários.

Eu gostei bastante de Honoria e de Marcus. Os dois são inteligentes e de língua afiada. Diversão garantida! E, para quem acompanhou Os Bridgertons, saiba que vários personagens reaparecem aqui.


Simplesmente o Paraíso é o primeiro volume da série de livros Quarteto Smythe-Smith. A Editora Arqueiro lançou um box maravilhoso para quem já quer garantir os quatro livros. Eu adorei o primeiro volume e recomendo.

Outras capas:


Nota:

Livro cedido para resenha pela editora Arqueiro.

9 de março de 2017

Quero ver no Brasil - Março/2017

Oi pessoal! Bastante gente comentou que gostava da coluna Quero ver no Brasil aqui do blog (eu também gosto). Então decidi voltar com ela num novo formato, resumindo os lançamentos internacionais que mais me chamaram a atenção no mês.

E em março tem...


* Hunted (Caçada) e The Mermaid's Daughter (A filha da sereia) são releituras, respectivamente, de A Bela e a Fera e A Pequena Sereia.

* The Inexplicable Logic of My Life (A lógica inexplicável da minha vida) é do mesmo autor de Aristóteles e Dante Descobrem o Segredo do Universo, que eu não li mas li várias resenhas positivas. Acho que tem grandes chances de ser publicado por aqui.

* Digo o mesmo de Strange the Dreamer (Estranho o sonhador), primeiro volume da nova trilogia da autora de Feito de fumaça e osso.

* Elementary, She Read (Elementar, ela leu) e Girl in Disguise (Garota disfarçada) me chamaram a atenção por serem histórias de detetives com mulheres no papel principal.

Vocês gostariam de ver esses livros publicados por aqui? E o que acharam do novo formato da coluna?

7 de março de 2017

Finders Keepers

2º livro da trilogia Bill Hodges. Resenha anterior:
1. Mr. Mercedes

Atenção! Esta resenha pode conter spoilers do livro anterior da série!

Tom Saubers closed his eyes and began to cry. Linda listened to that awhile, and when she couldn't stand it anymore, she leaned forward and began to punch the button on the morphine pump. She kept doing it until the machine stopped giving. By then he was asleep.

(Tom Saubers fechou os olhos e começou a chorar. Linda ouviu isso por algum tempo, e quando ela não aguentou mais, se inclinou para a frente e começou a apertar o botão na bomba de morfina. Ela continuou fazendo isso até que a máquina parou de dar. Quando aconteceu, ele estava dormindo.)

O livro começa em 1978, quando a casa do recluso escritor John Rothstein é invadida, ele é assassinado e seus manuscritos são levados. E então vai direto para 2010, com a família Saubers, que foi destruída depois que o pai, Tom, foi atropelado pelo maníaco conhecido como Mr. Mercedes.

As duas histórias demoram para se entrelaçar, mas não são entendiantes em momento algum. Pelo contrário, eu ficava imaginando como isso iria acontecer. Só mesmo o Mestre poderia escrever um livro que me mantém grudada sem nem mencionar seu personagem principal. Pois é, lá pela página 100 fui me dar conta de que o protagonista da trilogia - o detetive aposentado Bill Hodges - nem tinha aparecido ainda.


Não vou conseguir escrever muito nessa resenha porque não quero dar spoilers de nada. Mas posso dizer que Finders Keepers ("Achados e Perdidos", no Brasil) definitivamente não cai na "maldição do segundo livro", que costuma ser só enrolação até chegar no final. É uma leitura tensa, que não dá vontade de parar.

O final... ah sim, o final mostra que - caso alguém duvidasse - este é definitivamente um livro de Stephen King. Recomendo.

Outras capas:


Nota:

5 de março de 2017

Trecho: Escolha sua vida


Cuidado! Este é um livro muito perigoso. Ele vai deixar você incomodado, porque vai destruir todas as suas desculpas para não estar vivendo hoje a vida que gostaria. Vai provar que a responsabilidade por isso é toda sua. Ao terminar de ler, você poderá ter vontade de largar o emprego, terminar seu relacionamento, mudar de cidade, virar sua vida de cabeça para baixo.

Vou lhe contar como mudei a minha própria vida – como escapei do mundo corporativo, aposentei meu carro, me tornei mais saudável, criei mais tempo e felicidade para mim. E vou fazer uma dancinha feliz sacudindo as mãozinhas para o alto. Desculpe, não é por mal, mas eu não consigo resistir!

Depois, quando você começar a dizer “Ah, mas você só conseguiu porque era x, y, z, ou tinha x, y, z, ou podia x, y, z, só que EU não sou x, y, z, não tenho x, y, z, ou não posso x, y, z, e nunca poderia fazer algo assim…”, vou apontar o dedo para o seu nariz e mostrar que você não é uma vítima do mundo, da sociedade, da família, do emprego chato. E vou provar-lhe que você já tem todos os recursos de que precisa para dar o primeiro passo em direção à mudança. 

Esse é o início do livro Escolha sua vida, de Paula Abreu, lançamento da Editora Sextante.

Leia o trecho completo no site da editora.

3 de março de 2017

Passos para o futuro

Último livro da série Rose Cottage. Esta resenha NÃO contém spoilers dos outros livros da série.

Resenhas dos livros anteriores:
1. O Chalé das Promessas
2. Sintonia de Corações
3. Leis da Atração

Jo sentiu-se duas vezes traída, sobretudo porque o jovem que ela amou e confiou não teve a dignidade de lhe contar pessoalmente. (...) Levou anos para ter coragem de arriscar seu coração novamente e mais uma vez aconteceu exatamente o mesmo... ou algo muito parecido.

Finalmente conhecemos a história da última - e mais misteriosa - irmã D'Angelo, Jo. Após um final de relacionamento conturbado, e sob a pressão de suas irmãs, ela vai passar umas férias na antiga casa da avó, Rose Cottage.

Ela não tem lembranças muito boas de lá. O lugar a lembra de um antigo namorado, que a magoou muito: Pete Cattlet. A casa precisa de reformas e uma de suas irmãs contrata alguém para cuidar da casa... Sem saber da história toda, ela contrata Pete. Agora os dois terão muito o que conversar se quiserem reparar os erros dos passado.

Eu gostei bastante do livro e do casal principal. Pete cometeu um erro grande quando tinha 21 anos, mas gostei do modo como ele lidou com tudo isso. Jo também é ótima; o que ele fez não era de fácil perdão, e a autora trabalha com isso muito bem.

Imagino que Rose Cottage seja um lugar assim... (créditos)

Passos para o futuro foi um ótimo desfecho para esta série da querida Sherryl Woods. É para ler e ficar com o coração quentinho depois. Recomendo.

Outras capas:


Nota:

Livro cedido para resenha pela Harlequin.

1 de março de 2017

Resumo do Mês: Fevereiro/2017

Oi pessoal! Mês passado acabei não fazendo o Resumo do Mês, mas gosto de ter este espaço para conversar um pouco com vocês e repensar no que passou.

No final de janeiro eu tomei a decisão de fazer menos posts para o blog. Apesar de adorar este cantinho, foi algo que fiz baseado na meta de 2016 que não consegui cumprir, que era estudar algumas coisas da minha área de trabalho (desenvolvimento de software). Fico feliz em dizer que consegui me organizar e estou conseguindo cumprir! Obrigada a todos que compreenderam a minha decisão e continuaram a visitar o blog, fico muito feliz lendo os comentários de vocês.

Vamos às leituras do mês. Em fevereiro fiquei uma semana sem internet por conta da Vivo - que não resolveu nada, nos atendeu muito mal e me fez mudar de provedor. A única coisa boa resultante disso foi que li bastante. O livro do Stephen King, que eu deveria demorar mais de uma semana (por ser longo e em inglês), li em quatro dias.


Comprinhas! Foram bem variadas. Comprei dois potes muito fofos da Disney pela Avon, a edição do mês da Turma da Mônica Jovem e um bonequinho do Max que estava em promoção (adorei o filme Pets).


Resenhas do mês:



Meus livros preferidos do mês foram Finders Keepers e O perfume da folha de chá. O que vocês leram de bom este mês?
Related Posts with Thumbnails