26 de maio de 2018

Lost Boy: The True Story of Captain Hook

Peter will say I'm a villain, that I wronged him, that I never was his friend.
But I told you already. Peter lies.
This is what really happened.

Peter dirá que sou um vilão, que eu o ofendi, que nunca fui amigo dele.
Mas eu já te disse. Peter mente.
Isso é o que realmente aconteceu.

Esqueçam o Peter Pan como o conhecemos, seja pelo livro de J. M. Barrie ou o desenho da Disney. Está na hora de conhecer a verdadeira história do garoto que nunca cresceu, contada por aquele que um dia foi seu melhor amigo: Jamie, futuramente conhecido como Hook (Capitão Gancho).

Tudo é lindo e mágico na ilha de Peter Pan, que traz meninos do nosso mundo (o Outro Lado) para lhe fazer companhia e viverem grandes aventuras, nadando com sereias e enfrentando piratas. Até que Peter traz um menino que é novo demais: Charlie, de apenas cinco anos. Jamie assume o papel de irmão mais velho do garoto, o que provoca um ciúmes doentio em Peter. A partir daí, a ilha nunca mais será a mesma para esses meninos perdidos.

Adoro releituras de histórias clássicas e acho que, depois de Lost Boy, nunca mais conseguirei olhar para o Peter Pan do mesmo jeito. Fiquei com tanto ódio no coração por causa das coisas que ele fazia, de como ele era egoísta, maníaco, manipulador! Já Jamie foi um narrador que me conquistou demais. Foi incrível o jeito com que ele foi abrindo os olhos para quem Peter realmente era.

Se você acha que, por ser uma releitura de Peter Pan, este é um livro bonitinho e para crianças, vai se decepcionar. Lost Boy não economiza no sangue e membros cortados. É uma história sombria e assustadora, que faz a gente gritar, roer as unhas e chorar um pouco em cada capítulo. Adorei e recomendo!

Todas as crianças crescem, exceto uma.

Nota:

19 de maio de 2018

Tempo de Migrar para o Norte

Voltei, senhores, para minha família após uma longa ausência: sete anos, para ser mais preciso, durante os quais estudei na Europa. Aprendi muito, e muito me escapou, mas isso é outra história.

Tempo de Migrar para o Norte possui um narrador em primeira pessoa, porém anônimo, que retorna ao seu país natal, o Sudão, depois de morar na Europa. Sua história se mescla com a de outro personagem: Mustafa Said, um homem envolto em mistério que já viajou pelo mundo, mas que também retornou.

Este foi o livro de maio do clube de assinatura TAG Livros, que a cada mês me transporta para um lugar completamente diferente. Desta vez eu com certeza saí da minha zona de conforto, lendo meu primeiro livro que se passa no Sudão (confesso que não sou boa em geografia, tive que procurar no Google Maps onde era).

Não gostei da história desse livro, mas ao mesmo tempo achei-a interessante. Faz sentido?

Não consegui simpatizar com nenhum personagem (exceto Hosna talvez, a última esposa de Mustafa Said) e detestei Mustafa Said. Porém, ao mesmo tempo, gostei das discussões levantadas pelo enredo, como machismo, imigração versus voltar para casa, o contraste entre Sudão e Inglaterra.

Por isso, apesar de não ter gostado de Tempo de Migrar para o Norte, gostei de ter passado esse tempo com uma leitura completamente diferente do que estou acostumada, pois aprendi muito. É capaz até que, assim como os dois protagonistas, daqui alguns anos eu resolva voltar para o Sudão e tentar entender melhor essa história.

Kit da TAG Livros, com chá oriental.

Nota:

13 de maio de 2018

The Ghost and Mrs. Mewer

"There is no such thing as a ghost." Eva Chevalier turned her pointy nose up in the air and chortled. "It's preposterous. Nonsense, folderol, fiddle-faddle."
No sooner has she spoken than the automatic sliding glass doors to the parking lot whooshed open.

"Não existe tal coisa como um fantasma." Eva Chevalier virou o nariz pontudo no ar e gargalhou. "É absurdo. Bobagem, besteira, conversa fiada."
Mal ela falou, as portas automáticas de vidro do estacionamento se abriram.

The Ghost and Mrs. Mewer é o 2º livro da série Paws and Claws Mystery (tem resenha do primeiro no blog: Murder, She Barked), mas eles podem ser lidos de forma independente. A série é protagonizada por Holly Miller, que deixa seu emprego na cidade grande para viver com sua avó na pequena Wagtail, uma cidade feita para os amantes dos animais. As duas administram Sugar Maple Inn, o hotel perfeito para humanos e seus cães e gatos.

Um grupo improvável chega para se hospedar no hotel: são os membros do reality show Apparition Apprehenders, caçadores de fantasma que vêm filmar um episódio no abandonado Wagtail Springs Hotel, em pleno Halloween. É claro, seus pets vêm com eles: o cachorro Casper e a gata siamesa Mrs. Mewer. Porém, eles não contavam com que um dos membros da equipe fosse encontrado morto. Holly logo começa a investigar por conta própria, em meio a aparições misteriosas de fantasmas, e conta com a ajuda de suas fieis companheiras Trixie e Twinkletoes (as bontinhas na capa do livro).

Wagtail é definitivamente o lugar que eu gostaria de morar, ainda mais depois dessa visita a cidade durante o Halloween. Adorei poder voltar a essa cidadezinha com a companhia de seus bichinhos e resolver mais um mistério!

Infelizmente a série ainda não foi publicada no Brasil, mas recomendo muito para quem gosta de ler uma história de mistério leve, com bichinhos fofos que ajudam a solucionar o crime.


Nota:

1 de maio de 2018

Resumo do Mês: Abril/2018

Oi pessoal! Abril foi para mim o mês de renovar as energias, porque tive duas semanas de férias - uma de bobeira em casa e outra viajando por Santigo, Chile (tem algumas fotos no Instagram @meujardimdelivros). Foi um mês que passou rápido e na última semana voltei a trabalhar - e praticamente só, que correria. Mas a gente sempre arranja um tempinho para ler, né.

* Leituras: Por conta das férias consegui ler bastante esse mês, acho que foi um recorde. Dois livros eu já havia começado faz tempo (O Mundo de Sofia e The Cruel Prince) e terminei este mês.


* Recebido: O kit de abril da TAG Livros, cujo livro já li e adorei.


* Redescobri: Meus livros de colorir (um viva às férias)!


A melhor leitura do mês foi The Underground Railroad, fechou com chave de ouro.
O que vocês leram de bom em abril?

28 de abril de 2018

Around the World in Eighty Days

Mr. Phileas Fogg lived, in 1872, at No. 7, Saville Row, Burlington Gardens, the house in which Sheridan died in 1814. He was one of the most noticeable members of the Reform Club, though he seemed always to avoid attracting attention; an enigmatical personage, about whom little was known, except that he was a polished man of the world.

O Sr. Phileas Fogg viveu, em 1872, no número 7, Saville Row, Burlington Gardens, a casa em que Sheridan morreu em 1814. Ele era um dos membros mais notáveis do Reform Club, embora sempre parecesse evitar atrair atenção; uma personagem enigmática, sobre quem pouco se conhecia, exceto que ele era um homem polido do mundo.

Mais um clássico (re)lido! Li Around the World in Eighty Days (no Brasil: Volta ao mundo em 80 dias), de Jules Verne, pela primeira vez lá pelos meus 12-14 anos. Como isso foi há um milhão de anos eu obviamente não lembrava mais nada além do fato de que tinha gostado da leitura naquela época. E devo dizer que foi uma releitura muito agradável!

O livro segue o cavalheiro inglês Phileas Fogg, que faz uma aposta valendo 20 mil libras de que consegue dar a volta ao mundo em 80 dias. Ele leva consigo seu criado francês, Passepartout, e também encontra outros personagens pelo caminho, que se juntam em sua jornada.

Já podem imaginar que o livro é cheio de aventuras, né? Tenham em mente que o livro foi publicado pela primeira vez em 1872, antes da invenção do avião. Então eles fazem uso de diversos meios de transporte para conseguir atravessar o globo, de navios a trens e até um elefante. Eu me diverti com essa dupla: Mr. Fogg sempre com cara de paisagem, tranquilo, e Passepartout sempre afobado e com medo de perder a aposta.

A única coisa que achei meio sem graça foi que um recado que o livro deixa é que com dinheiro se pode tudo. Praticamente todos os imprevistos são resolvidos por Mr. Fogg comprando coisas ou pessoas. Se ele já não fosse muito rico quando começou a viagem, seria impossível de ser completada em 80 dias.

O livro em inglês está em domínio público, então é possível fazer o download legal e gratuitamente. A edição que eu li foi essa da Amazon, impecável. Um clássico que valhe a pena ler e reler.

A viagem em 80 dias de Mr. Fogg (Pinterest)

Nota:

Related Posts with Thumbnails