27 de março de 2017

Fundação

Seu nome era Gaal Dornick, e ele era apenas um caipira que nunca havia visto Trantor antes.

Com essa frase, se inicia Fundação, uma das obras-primas de ficção científica mais aclamada de todos os tempos. Eu já havia lido toda a trilogia, emprestada de uma biblioteca, quando tinha uns vinte anos. Na época, havia me encantado com ela, mas não lembrava de absolutamente nada da história (isso foi há uns dez ou doze anos). Por isso, decidi reler.

O primeiro livro começa com Gaal Dornick chegando no planeta de Tranto, para trabalhar com Hari Seldon na confecção da Enciclopédia Galática. O projeto é ambicioso: a Enciclopédia deve reunir todo o conhecimento humano pois, de acordo com o próprio Seldon, a humanidade deixará de existir.

No começo eu estava bem empolgada com a leitura, mas da metade para o final ela ficou cansativa. Fundação não é um livro fácil de ser lido. Creio que isso se dá pelo fato de que, ao contrário dos livros de ficção que costumo ler, nos quais a história ocorre em volta dos personagens, aqui a história ocorre por ela mesma.

Os personagens não são bem desenvolvidos ou descritos, porque eles não importam. Dezenas, centenas de anos se passam de um capítulo a outro, as pessoas morrem e são substituídas por outras. Fundação é praticamente um livro de história, contado através dos diálogos daqueles que a viveram.


Eu acho que não sofri o mesmo encantamento que tive da primeira vez que li, porque nessa década que se passou já li muitos livros diferentes. Mas é possível perceber como Isaac Asimov construiu a base da ficção científica que conhecemos hoje. A história, iniciada em 1942, traz diversas discussões e continua atual, além de conceitos incríveis (sou fã da psico-história). Para os fãs do gênero, é imperdível.

Outras capas:


Nota:

25 de março de 2017

Eu fui: Foz do Iguaçu


Oi pessoal! Na última semana estive de férias e aproveitei para fazer uma viagem aqui no Brasil, para Foz do Iguaçu/PR, que acabou sendo muito mais legal do que eu imaginava. Então resolvi escrever alguns posts, para compartilhar a minha viagem com vocês e quem sabe ajudar quem está planejando ir para lá. Não foi uma viagem cara e valeu muito a pena!

Fui para Foz do Iguaçu em um domingo e voltei na quinta-feira de manhã, e esses quatro dias foram suficientes para conhecer os principais pontos turísticos. Fiz tudo de ônibus e andei muito! No começo tinha considerado comprar os passeios em uma agência, mas de ônibus ficou muito mais barato (cada passagem custava R$3,45). Os posts do blog Lá vai ela pelo mundo me ajudaram muito a planejar minha viagem e a me virar por lá. Além disso, o pessoal da cidade era bem prestativo quando eu perguntava como chegar em algum lugar.

Para andar de ônibus, é essencial pesquisar bem a localização do hotel. Eu fiquei hospedada no Continental Inn por esse motivo e porque tinha um quarto triplo espaçoso (fui com mais dois adultos). Além disso, ele é próximo de um shopping e do centro da cidade.


Uma coisa que achei curiosa: o aeroporto de Foz tem "Internacional" no nome mas quase não tem placas em inglês, além de ser bem pequeno. Descemos e entramos no avião na pista mesmo. Quando chegamos estava a maior chuva e tinha uma pessoa dando guarda-chuvas para caminharmos até o terminal.


Nos próximos sábados irei contar sobre os pontos turísticos que visitei. Até lá! ;)

23 de março de 2017

Teardrop - Lágrima

Ele sabia tudo sobre ela. Iria gabaritar todas as questões em uma prova sobre suas complexidades. Ele a observava desde o 29 de fevereiro em que ela nasceu. Todos os Semeadores a vigiavam. Ele a observava desde antes de ele ou ela saberem falar. Eles nunca se falaram.
Ela era a vida dele.
Ele tinha de matá-la.

Eureka vive com culpa, por ter sobrevivido ao acidente de carro que matou sua mãe. Ela vai morar com o pai, a madrasta e seus dois meio-irmãos e se sente muito deslocada. Seus únicos refúgios são seus amigos, Brooks e Cat, e as memórias de sua mãe.

Até que surge um novo garoto em cena. Seu nome é Ander, e ele é muito misterioso. Além disso, Eureka recebe relíquias estranhas pelo testamento de sua mãe. Ela não sabe para que servem, mas, junto com Ander, podem ajudá-la a desvendar sua própria história.

Eu já tinha lido a série Fallen, da mesma autora - faltando o último livro, que fiquei com preguiça porque não gostei do modo como a história (des)andou. Apesar disso, continuei gostando do modo como Lauren Kate escreve, por isso comprei Teardrop.


A história é bem parecida: garota deprê + triângulo amoroso + sobrenatural. Porém, gostei bastante da parte de mitologia e mistérios do livro. Nessa parte, é bem diferente de Fallen, e foi por causa dela que gostei da história.

O livro tem uma continuação - é uma duologia -, lançada no Brasil como Dilúvio. Não entendi por que não mantiveram o nome original, como no primeiro livro, mas quero ler.

Outras capas:


Nota:

21 de março de 2017

Harlequin: Lançamentos de Março/2017

Chegou o outono e também as novidades da Harlequin! Vamos conferir o que vem por aí?

Lembrando que todos os lançamentos estão disponíveis no site: loja.harlequinbooks.com.br



18 de março de 2017

Trecho: Irmãos de Sangue


Aquilo pairava no ar, pesado como lã molhada sobre a clareira. Ele sentia seu ódio, presente na névoa que serpenteava pelo chão, no calor sufocante da noite. Com a tocha erguida, esperava a coisa se afastar na floresta, atravessando rios e contornando moitas onde pequenos animais se encolhiam temendo o cheiro que exalava.

Fumaça do inferno.

Ele enviara Ann e as vidas que ela carregava no útero para longe, para um local seguro. Ann não tinha chorado, lembrou enquanto borrifava as ervas que escolhera. Mas ele notou a tristeza no rosto dela, nos olhos escuros profundos que amara naquela vida e em todas as anteriores.

Três crianças nasceriam de Ann e seriam ensinadas por ela. E delas, quando chegasse a hora, viriam mais três. Seu poder seria delas, que chorariam pela primeira vez muito tempo depois de aquela noite terminar. Arriscara tudo que tinha para lhes deixar as ferramentas de que precisariam, as armas que empunhariam.

Seu legado para elas era de sangue, coração e visão.


Esse foi um trecho de Irmãos de Sangue, primeiro volume da trilogia A Sina do Sete, de Nora Roberts, e chegando ao Brasil pela Arqueiro. Leia o trecho completo no site da editora.

Eu já li o livro em inglês e gostei - leia a resenha aqui.
Related Posts with Thumbnails