1 de fevereiro de 2018

Lobos de Calla (releitura)

5º livro da série A Torre Negra.
Atenção! Esta resenha contém spoilers dos livros anteriores da série!

Resenhas anteriores:
1. O Pistoleiro
2. A Escolha dos Três
3. As Terras Devastadas
4. Mago e Vidro

Tian foi abençoado (embora poucos fazendeiros houvessem usado tal palavra) com três tratos de terra: o Campo do Rio, onde sua família cultivara arroz desde tempos imemoriais; o Campo da Beira da Estrada, onde ka-Jaffords cultivara tubérculos, abóboras e milho durante esses mesmos longos anos e gerações; e o Filho-da-Puta, um trato ingrato que produzia sobretudo pedras, bolhas e esperanças desfeitas.

No caminho para a Torre Negra, Roland e seu ka-tet são abordados por alguns membros da população da cidadezinha de Calla Bryn Sturgis. Eles lhes suplicam que os ajudem a derrotar os Lobos, que devem chegar dali a um mês. Os Lobos sempre vêm, de tempos e tempos, e levam uma de cada criança gêmea - devolvendo-as depois, totalmente transformadas.

Se você ainda não leu A Hora do Vampiro (Salem's Lot), você precisa ler antes de Lobos de Calla. Não é essencial, mas tem um personagem muito importante na trama que se originou nesse livro, e conhecê-lo antes tornará a leitura muito mais prazerosa.

Susannah treinando para chutar traseiros de Lobos (Pinterest)

Nem preciso falar que amei esse livro, né? Essa é uma constante na série A Torre Negra, pois adoro demais Roland, Eddie, Susannah, Jake e Oi. Neste volume, eles se tornam pistoleiros de verdade, em uma batalha típica de um faroeste. Mas, enquanto lidam com os Lobos, também precisam pensar na Nova York de 1977, quando a Coporação Sombra tenta se apossar do terreno da Rosa.

Lobos de Calla foi mais uma viagem maravilhosa pelo Mundo Médio, que terminou com um gancho de roer as unhas. Recomendo!

Outras capas:


Nota:
Related Posts with Thumbnails